O papel da Mulher no futuro da sociedade Tecnologicamente Convergente

O papel da Mulher no futuro da sociedade Tecnologicamente Convergente

Março, o mês dedicado a mulher é normalmente uma época em que os formadores de opinião, colunistas, influenciers digital aproveitam para homenagear, relembrar, protestar, reivindicar os tão conhecidos e discutidos direitos e lutas das mulheres. Suas trajetórias, os avanços conquistados e direitos adquiridos. Os quais não são e nem foram fáceis de conseguir. E daqui também vai o meu tributo e homenagem a todas nós guerreiras do cotidiano. E vai sem uma gota de feminismo exacerbado ou outra bandeira qualquer. Apenas reconheço muito mais no papel do que no Gênero, a força do Sagrado Feminino. Saúdo a todas. Indistintamente de raça, classe, ideologia de qualquer natureza, religião e etc. Afinal, sermos múltiplas é o nosso forte.

O escritor e físico americano Alvin Toflen, autor do clássico A Terceira Onda, em sua obra Premissas e Previsões (1983), já anunciava claramente: “A única certeza que temos é que tudo vai mudar” com o advento da terceira onda – O poder da informação- devemos nos preparar para o fim da era do Employment(Emprego) e a chegada da era do Empowerment(trabalho)

Como todo visionário suas previsões foram um tanto açodadas. Mas nunca estiveram tão próximas.

As transformações pelas quais a sociedade passa no momento vai requerer uma força tarefa convergente envolvendo Governo, Empresários, Pesquisadores e a sociedade civil, para que se execute essa inevitável transição de modelo sócio econômico e político com ganhos potenciais para todos os envolvidos. O Deutsche Bank Research define convergência como “um processo de mudança qualitativa que liga dois ou mais mercados existentes e anteriormente distintos”.

As mudanças atingirão todos os segmentos produtivos. Um entendimento que precisa ser absorvido pela cultura das legiões de pessoas que perderão ou diminuirão ganhos em dinheiro dos seus empregos para a automação e/ou a robótica é que estamos vivendo a era em que o minimalismo é uma postura de congruência com o futuro. Isso não significa empobrecimento de nenhuma classe social, na medida em que em será possível a justa troca de ter bens por estar bem. O céu é o limite!

Todavia, até que esse entendimento seja difundido, viveremos tempos de desconforto para acomodação. Mas, não podemos encarar essas transformações como o apocalipse da sociedade organizada. Os povos e a sociedade passam sim por mudanças, algumas às vezes dolorosas, mas o progresso sempre acontece como desdobramento evolutivo. Imagina se não tivéssemos vivido a revolução industrial? A máquina a Vapor? O avião? Os computadores então?

Essa transformação será forte e por tempo indeterminado dizem os experts do assunto. E de tudo que li, estudei e ouvi, ela já começou. Certamente, a chamada era do fatídico (porque não gosto da expressão) EMPODERAMENTO terá que sair do discurso para o RESULTADO. A mulher certamente continuará precisando se preparar, adquirir formações que impulsionem suas competências e habilidades e, sobretudo, se posicionar bem diante das oportunidades; e das adversidades também. Sem competição pelo simples gênero. Tendo sempre em mente que medo não é ausência de coragem. É fazer o que precisa ser feito com medo mesmo.

Muito provavelmente, a mulher com sua habitual criatividade e sensibilidade deverá se adaptar mais rapidamente a nova realidade que o futuro imporá. Tais como melhor aproveitar o tempo que lhe sobrará do emprego para criar nova linha de ação, talvez mais alinhada com seu propósito de vida. Com alguma ocupação que lhe renda pouco dinheiro, mas um retorno de maior felicidade.

Mais tempo para viver seu autoconhecimento, exercer algum tipo de contribuição. Como por exemplo, transferir algum know how para pessoas do terceiro setor, talvez no início sem ganho financeiro ou de graça, podendo evoluir para um novo negócio no futuro. Criar ou participar de cooperativas de diversas naturezas com o tempo que sobra ou mesmo como uma alternativa de trabalho. E fomentar o amor à família com auto responsabilidade. Não terceirizando sua felicidade para o parceiro e/ou filhos. Mas sendo feliz Junto. Certamente haverá lugar em muitos lugares para essa mulher. Inclusive no mundo da Tecnologia.

Quero deixar como evidência do que estou falando uma sugestão: Dá um Google e pesquisa: As blogueiras mais velhas do mundo. Você vai se surpreender. Pare, se informe e prepare-se. Isso vale para todo mundo. Do neurocirurgião ao manobrista da churrascaria.

Se o que você acaba de ler, te acrescenta em alguma coisa, tome posse e compartilhe! Se não, quero saber sua opinião mesmo assim! Deixa um comentário pra mim? Se quiser receber mais conteúdos como este me manda um whats App (21) 97174-0577.